O criminoso nazista mais procurado do mundo, Laszlo Csatary, 97, acusado de cumplicidade na morte de 15700 judeus durante a Segunda Guerra Mundial, foi localizado em Budapeste, na Hungria, segundo o diretor do escritório do Centro Wiesenthal em Israel.

“Confirmo que Laszlo Csatary foi identificado em Budapeste”, afirmou Efraim Zuroff. “O ‘The Sun’, (jornal inglês) fotografou e filmou o acusado, graças a informações que fornecemos em setembro de 2011”, acrescentou.

“Há 10 meses, um informante nos forneceu elementos que nos deu condições para encontrar Laszlo Csatary em Budapeste. O informante recebeu US$ 25 mil, que prometemos em troca de informações que nos leve a criminosos nazistas”, disse Zuroff.

As fontes sobre o paradeiro de Csatary foram remetidas em setembro de 2011 à promotoria da capital húngara. O vice-procurador de Budapeste, Jen Varga, não confirmou a informação, limitando-se a afirmar que “há uma investigação em andamento. A promotoria está estudando as informações recebidas.”

Csatary foi condenado à morte à revelia em 1948, por um tribunal tcheco, mas desapareceu misteriosamente após se esconder nas cidades canadenses de Montreal e Toronto. Posteriormente, com uma identidade falsa, dedicou-se a comercializar objetos de arte.

Em abril, o Centro Wiesenthal colocou Csatary no topo da lista dos criminosos de guerra mais procurados do mundo. Ele foi chefe da polícia no gueto de Kosice, situado no território da atual Eslováquia, onde 15.700 judeus foram mortos ou deportados para o campo de extermínio de Auschwitz, Polônia, durante a ocupação alemã da Tchecoslováquia.

Há cerca de 15 anos, autoridades canadenses descobriram a verdadeira identidade de Csatary, e, por isso, ele voltou a desaparecer, desta vez escondendo-se na Hungria, segundo Zuroff.

[box type=”info” align=”” class=”” width=””] *Atualização:  Laszlo Csatary faleceu no dia 10 de Agosto de 2013 sem ter ido a julgamento.

YouTube

By loading the video, you agree to YouTube's privacy policy.
Learn more

Load video

[/box]

Veja também:

Comentários

  1. Ele deve ser preso por uma questão de justiça não por vingança ou outros motivos.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *