Embora seja considerado “escrito” por Hitler, Mein Kampf não é um livro no sentido comum. Hitler jamais sentou a frente de uma máquina de escrever ou escreveu manualmente alguma das páginas. Na verdade Adolf Hitler começou ditando o livro para Emil Maurice enquanto estava preso em Landsberg, e após 1924 passou a ditar para Rudolf Hess enquanto estava preso entre 1923-24 e concluiu numa pousada em Berchtesgaden.

Ler Mein Kampf é como ouvir Hitler falar demoradamente sobre a sua juventude, sobre o início do partido nazista, planos futuros para a Alemanha, e ideias sobre política e raça.

O título original que Hitler escolheu foi “Viereinhalb Jahre [des Kampfes] gegen Lüge, Dummheit und Feigheit” – “Quatro anos e meio de luta contra mentiras, estupidez e covardia” -, porém Max Amann, o encarregado das publicações nazistas, decidiu que o título era muito complicado e o abreviou para Mein Kampf – Minha Luta. “

O primeiro volume, intitulado Eine Abrechnung, é essencialmente autobiográfico e foi publicado em 18 de Julho de 1925; já o segundo volume, Die Nationalsozialistische Bewegung (O movimento nacional-socialista), é mais preocupado em expressar a doutrina nazista e foi publicado em 1926.

Em seu livro, Adolf Hitler divide os seres humanos em categorias com base na aparência física, estabelecendo ordens superiores e inferiores, ou tipos de seres humanos. No topo da qualificação, de acordo com Hitler, está o homem germânico com sua pele clara, cabelos loiros e olhos azuis. Hitler refere-se a este tipo de pessoa como um ariano. Ele afirma que o ariano é a forma suprema da raça humana, ou mestre.

E assim segue-se no pensamento de Hitler, se houver uma forma suprema do ser humano, então deve haver outros menos supremos, o Untermenschen, ou racialmente inferior. Hitler atribui essa posição para os judeus e os povos eslavos, nomeadamente os tchecos, poloneses e russos.

Em Mein Kampf, Hitler afirma: “… ela (a filosofia nazista) de modo algum acredita em uma igualdade de raças, mas junto com sua diferença, reconhece o seu valor maior ou menor e sente-se obrigado a promover a vitória do melhor e mais forte, e exigir a subordinação do inferior e mais fraco de acordo com a vontade eterna que domina esse universo. “

Hitler, em seguida, afirma o ariano é também culturalmente superior.

“Toda a cultura humana, todos os resultados de arte, ciência e tecnologia que vemos diante de nós hoje, são quase exclusivamente o produto criativo da ariana…”

Hitler ainda afirma que os povos inferiores devem se beneficiar por serem conquistados, pois assim entram em contato e aprendem com os arianos superiores. No entanto, ele acrescenta que tal benefício existe apenas enquanto o ariano for o senhor absoluto e não se misturar ou miscigenar com os povos inferiores conquistados.

Detalhes do Livro Minha Luta – Mein Kampf de Adolf Hitler

Mas é contra os judeus que Hitler tem mais aversão, e demonstram isso afirmando que eles estão envolvidos numa conspiração para impedir que a raça superior assuma sua posição de direito como os governantes do mundo, por manchar a sua pureza racial e cultural e até mesmo inventar formas de governo em que o ariano acredite na igualdade e não reconhece sua superioridade racial.

Hitler descreve a luta pela dominação do mundo como uma batalha racial, cultural e político entre arianos e judeus. Ele descreve seus pensamentos em detalhes, acusando os judeus de conduzir uma conspiração internacional para controlar as finanças do mundo, controlando a imprensa, inventar a democracia liberal, bem como o marxismo, a promoção da prostituição e vício, e usar a cultura para espalhar a desarmonia.

Ao longo de Mein Kampf, Hitler se refere aos judeus como parasitas, mentirosos, sujo, astuto, manhoso, astuto, inteligente, sem qualquer verdadeira cultura, um parasita, um intermediário, um verme, sugadores de sangue eterno, repulsivo, sem escrúpulos, monstros, ameaça, estrangeiros, sanguinários, avarentos, o destruidor da humanidade ariana, e o inimigo mortal da humanidade ariana…

Essa ideia de conspiração e da noção de “competição” para dominar o mundo entre judeus e arianos se tornaria crença generalizada na Alemanha nazista e ensinada às crianças nas escolas.

Isto, combinado com a atitude racial de Hitler contra os judeus, seria compartilhada em diferentes graus por milhões de alemães e pessoas de países ocupados, que permaneceram em silêncio ou participaram ativamente no esforço nazista de exterminar toda a população judaica da Europa.

Mein Kampf também fornece uma explicação para as conquistas militares mais tarde por Hitler e os alemães. Hitler afirma que, os arianos são a raça superior e por isso têm direito de adquirir mais terra para si. Este Lebensraum, ou espaço de vida, será adquirido pela força, e estas incluem as terras a leste da Alemanha, ou seja, a Rússia. A terra seria usada para cultivar alimentos e para fornecer espaço para a população ariana em expansão à custa dos povos eslavos, que estavam a sendo removidos, eliminados ou escravizados.

Mas para conseguir isso, a Alemanha terá que derrotar seu velho inimigo, a França, e vingar a derrota alemã da Primeira Guerra Mundial, assim como para proteger a fronteira ocidental. Hitler relembra amargamente o fim da Primeira Guerra Mundial, dizendo que ao exército alemão foi negado a sua chance de vitória no campo de batalha por traição política. No segundo volume de Mein Kampf, ele atribui maior parte da culpa aos conspiradores judeus.

Mein Kampf quando foi lançado em 1925 teve venda inexpressiva. Até mesmo seu editor se decepcionou com o conteúdo do livro, pois esperava uma história autobiográfica detalhada e com ênfase no Putsch da Cervejaria, porém Hitler não entrou em detalhes sobre sua vida pessoal e não escreveu nada sobre o Putsch. Além de que as centenas de páginas eram de difícil compreensão e seus eram parágrafos vagos, compostos por um homem autodidata. Houve a necessidade de editar e reeditar antes de ser impresso.

No entanto, após Hitler se tornar chanceler da Alemanha, milhões de cópias foram vendidas. Cada alemão procurava adquirir sua cópia. Era comum presentear o livro a crianças recém-nascidas, ou como presente de casamento. Todos os estudantes o recebiam na sua formatura.

Porém todas as revelações sobre a natureza de seu caráter e seu plano para o futuro da Alemanha serviu como um aviso para o mundo. Um aviso que foi ignorado na maior parte.

Ainda hoje influencia pessoas, sendo considerado como  a Bíblia Nazista pelos Neo-nazistas.

 

Popularidade

Os extratos de conta dos direitos autorais da Eher Verlag – a editora nazista – apreendidas pelos Aliados em 1945, mostrava que:

Em 1925, ano de seu lançamento, Mein Kampf (custando 12 marcos cada volume) vendeu 9473 exemplares, a partir de então as vendas caíram gradativamente.

Em 1926 vendeu 6913;

Em 1927 vendeu 5607; e

Em 1928 vendeu somente 3015.

Com as vitórias nas eleições pelos nazistas, a partir de 1929 as vendas cresceram, alcançando 7669 naquele ano, e saltando para 54086 em 1930, ano em que surgiu uma edição popular de 8 marcos.

Em 1931, 50808 exemplares foram vendidos, e 90351 em 1932.

Em 1933 quando Hitler se tornou chanceler, as vendas saltaram para um milhão de exemplares.

Em 1940, 6 milhões de exemplares do Mein Kampf foram vendidos.

O Partido nazista afirmou que o livro antes disso já era um grande vendedor. Hitler possuía rendimento de 10% dos direitos autorais sobre o livro (sua principal fonte de renda a partir de 1925), 15% a partir de 1933, quando o rendimento da venda do livro superou um milhão de marcos.

 

Índices

[box type=”info” align=”aligncenter” ]

O arranjo dos capítulos é como segue:

– Introdução

– Volume I: Uma conta

  • Capítulo 1: Na casa paterna
  • Capítulo 2: Anos de aprendizado e de sofrimento em Viena
  • Capítulo 3: Reflexões gerais sobre a política da época de minha estadia em Viena
  • Capítulo 4: Munique
  • Capítulo 5: A Guerra Mundial
  • Capítulo 6: A propaganda da guerra
  • Capítulo 7: A revolução
  • Capítulo 8: O começo de minha atividade política
  • Capítulo 9: O Partido Trabalhista Alemão
  • Capítulo 10: Causas primárias do colapso
  • Capítulo 11: Povo e Raça
  • Capítulo 12: O primeiro período de desenvolvimento do Partido Nacional Socialista

– Volume II: O movimento nacional-socialista

  • Capítulo 1: Doutrina e partido
  • Capítulo 2: O Estado
  • Capítulo 3: Cidadãos e súditos do Estado
  • Capítulo 4: Personalidade e concepção do Estado Nacional
  • Capítulo 5: Concepção do mundo e organização
  • Capítulo 6: A luta nos primeiros tempos – A importância da oratória
  • Capítulo 7: A luta com a frente vermelha
  • Capítulo 8: O forte é mais forte sozinho
  • Capítulo 9: Ideias fundamentais sobre o fim e a organização dos trabalhadores socialistas
  • Capítulo 10: A máscara do federalismo
  • Capítulo 11: Propaganda e organização
  • Capítulo 12: A questão sindical
  • Capítulo 13: Política de aliança da Alemanha após a Guerra
  • Capítulo 14: Orientação para leste ou política de leste
  • Capítulo 15: O direito de defesa

– Conclusão

– Índice

[/box]

Veja também:

Comentários

  1. Ideias de um louco alucinado. Deve ter sido seduzido por um judeu quando era garotinho. Ideia racista sem pé nem cabeça, sem noção fora da realidade essa história de inferioridade genética.
    Muita gente que caiu nessa perdeu tudo que tinha e a humanidade caminhou, infelizmente movida por um grande equívoco de um lunático sem escrúpulos.

  2. Caro Julio Francisco, estas ideias não eram dele, você como tantos outros acham que ele o é.
    Embora isso não justifique suas ações, antes de mais anda, faz-se necessário você compreender o contexto político que o livro fora escrito!

    Tenho pena dos cegos midiáticos, assim como tenho pena dos que adoram este malfeitor.

  3. Particularmente acho fascinante a historia de Adolf Hitler um doente, até mesmo louco crente em apenas uma realidade e ideal “A Sua Própria” queria muito ver todos os passos, detalhes e motivo que o levaram a ser assim tão enigmático e perturbador…

    Muito interessante a historia sempre vale a pena ver, conhecer, pesquisar mesmo que nem sempre concordemos com ela, mas a historia e fascinante.

  4. Já li o livro.
    Tenho que admitir que o pensamento que ele tem sobre a democracia é compartido por mim tambem.

    Gustavo Krepke

  5. como adiquirir mein kampf?

    1. também gostaria muito de saber onde encontrar esse livro, ele me fascina,e deve ser incrivel, fico imaginando quantas loucuras ele deve ter escrito nesse livro que conquistou tantas pessoas,que começaam a fazer amesma loucura que ele.

  6. Gosto de saber tudo da 2º grande guerra mudial, uma vez que tive parentes que lutaram na Síria e Italia. Como posso adquirir esse livro?
    E parabéns pelo site, obrigado

    1. Infelizmente, esse livro foi proibido no mundo todo.

  7. Gente o cara era muito inteligente, uma pessoa mal compreendida, ele não era mal,
    houve alguns fatos na vida dele que geraram tudo o que aconteceu

  8. Nada justifica a mente hedionda de Hitler, seu anti-semitismo e suas loucuras idealistas. Mas que pairava sobre o povo alemão uma revolta sobre a população Judia daquele tempo isso é inegável. Pois os Judeus eram a elite das classes e um povo um tanto que arrogante naquela é poca….

  9. Hitler era mesmo um lunático, pensava em dominar o mundo, se colocando no lugar de Deus. Trazendo humilhação, torturas, sangue… para a vida dos Judeus

  10. Gastei muito dinheiro viajando pela Europa para conhecer de perto os locais por onde se passou a segunda guerra. Rússia, Polônia, Belarus, Ucrânia, Alemanha, Theca, Austria. Amo esse assunto. Se puder me envie mais artigos

  11. É lamentavelmente ele se foi. Para quem tanto desejava ganhar o mundo com suas idéias absurdas, não devia ter ido .
    Garanto se no fosse brasil, iria encontrar, uma turminha boa por aqui, que até o nome do livro não seria ” MINHA LUTA ” e sim ( MINHA MORTE)

  12. Adolf, foi um homem com uma mente brilhosa só , que a usou para o mal da humanidade, o orgulho, o ódio, o preconceito, a educação na infância, e contatos com a elite alemã na época , tudo combinou para formarem as várias personalidades de Adolf hitler, sem dizer que a Alemanha carecia de lideres, pior que estava não ficava, só que os lideres mundiais, não acreditava que ia tomar tal proporção, e deu no que deu, nenhum conflito nasce grande, se torna grande após uma série de pequenos conflitos.

  13. Anti-semitismo e ideologias raciais não são ideias criadas por Hitler, isso já existia muito antes dele, inclusive entre os “mocinhos” ocidentais. ideias de superioridade racial já eram difundidas na Inglaterra muitos anos antes.

    O próprio Patton era um anti-semita ferrenho…

    Os Judeus sempre foram perseguidos em várias partes do mundo. é claro que uma hora esse ódio iria estourar, e foi o que aconteceu com na Alemanha.

  14. Procure mais informações: essa idéia de raça pura nasceu na Inglaterra , Hitler leu muita coisa a respeito quando esta preso .

    Os fornos de Auschwitz foram feitos pelos sovieticos após tomar o campo , e cremar os corpos que estavam lá, mas mortos pela fome .

    Declaraçoes dos proprios soviéticos após a Perestroika .

    E o massacre de Katin, imputada aos alemães, mas na verdade foi feita por El Diablo , que assinou o decreto para o exterminio, e riu bastante com isso.

    Tem que para com essa coisa de dizer que Hitler foi a unica besta e responsável por tudo .
    E os norte americanos, que soltaram bombas atomicas em civis japoneses, vamos falar dos soldados prisioneiros japoneses que foram executados com lança-chamas e muito outras barbaries, ninguem é santo não.

    A 2 guerra inicio-se pela posse de territorios Poloneses (que historicamente pertenciam a Alemanha), no fim da guerra Stalin ficou com a Polonia inteira e com boa parte da Europa, a França e inglaterra que declararam a guerra, nem se importaram com isso. Na verdade eles queriam a guerra contra a Alemanha mesmo .
    Politicos ingleses maus intencionados, era só dissolver o sacana do tratado de versalhes e tudo isso não teria acontecido .

    ——-

    1. Miro, muito interessante o seu comentário… gostaria de saber como tudo isso se encaixa no nosso sistema financeiro de hoje.

  15. Gostaria de saber como adquirir Mein Kampf? Me interessa o livro vermelho com a suástica na capa!

    Abs,

    Luciana.

  16. como eu faço para adquirir esses volumes. Quero ler esse livro que deve ser fantastico

  17. Hitler não provocou isso sozinho, leiam a história de cada um do seu Estado Maior e de quem o patrocinou, e verão que alguns tinham pensamentos piores que os dele.
    Ele foi patrocinado por empresários e políticos da época, como acontece hoje com nosso poder executivo, sendo o escolhido por saber falar bem em público…entre outros atrativos que um bom político deve ter.
    Concordo com tudo o que nosso amigo Guilherme Pires disse acima, todo o mundo era contrário a presença do povo judeu em sua terra e ninguém declarou guerra contra a Alemanha por causa de algum povo específico e sim por interesse político.

    A guerra armada é o artifício usado quando a diplomacia falha !

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *