Mulheres em Guerra – As mulheres americanas desempenharam papéis importantes durante a Segunda Guerra Mundial, tanto em casa como em serviço. Não apenas deram filhos, maridos, pais e irmãos ao esforço de guerra, deram seu tempo, energia e até suas vidas. Muito além de servirem como enfermeiras, elas serviram praticamente em todas as áreas. 

Quando a Segunda Guerra Começou

Relutantes em entrar na guerra, os EUA se comprometeram com a guerra total após o ataque japonês a Pearl Harbor. Esse compromisso incluía a utilização de todos os ativos do país – mulheres inclusive. As potências do Eixo, por outro lado, demoraram a empregar mulheres em suas indústrias de guerra. Hitler ridicularizou os americanos por colocar suas mulheres para trabalhar. O papel das mulheres alemãs, disse ele, era ser boas esposas, mães e ter bebês para o Terceiro Reich.

mulheres em guerra

Casamentos Precoces

Quando a guerra começou, os casamentos precoces tornaram-se norma. As mulheres se casavam com seus namorados antes que eles fossem ao exterior.  Enquanto os homens lutavam, as mulheres da Frente Interna trabalhavam em fábricas de defesa. Também se ofereciam às organizações relacionadas à guerra, além de cuidar de suas casas. Em Nova Orleans, à medida que crescia a demanda por transporte público, as mulheres se tornaram “condutoras” de bonde pela primeira vez na história.

Quando os homens se ausentavam, as mulheres “se tornavam cozinheiras e empregadas domésticas proficientes, administravam as finanças, aprendiam a consertar o carro, trabalhavam em uma fábrica de defesa e escreviam cartas aos maridos soldados.” (Stephen Ambrose, Dia D, 488).

As Mulheres em guerra – Uniformizadas

Quase 350.000 mulheres americanas serviram uniformizadas, tanto no país como no exterior. Voluntariando-se para o recém-formado Corpo Auxiliar de Mulheres (WAACs, mais tarde denominado Corpo de Mulheres), a Reserva Feminina da Marinha (WAVES), a Reserva Feminina do Corpo de Fuzileiros Navais, a Costa A Reserva Feminina da Guarda (SPARS), os Pilotos do Serviço da Força Aérea para Mulheres (WASPS), o Corpo de Enfermeiros do Exército e o Corpo de Enfermeiros da Marinha.

Mulheres em Guerra

Mulheres Pilotos de Avião

Reconhecimento por Einsenhower

O general Eisenhower achava que não poderia vencer a guerra sem a ajuda dessas mulheres em serviço. “A contribuição das mulheres Norte-americanas, seja na fazenda, na fábrica ou em serviço, para o Dia D foi uma condição sine qua non do esforço de invasão. ” (Ambrose, Dia D, 489)

mulheres em guerra

Mulheres uniformizadas assumiam cargos e funções clericais nas forças armadas para permitir os homens a lutar. Elas também dirigiram caminhões, consertaram aviões, trabalharam como técnicas de laboratório, montaram paraquedas, serviram como operadoras de rádio, analisaram fotografias, voaram aviões militares pelo país, testaram aviões recém-consertados e até treinaram artilheiros antiaéreos.

Prisioneiras de Guerra

Algumas mulheres serviram perto das linhas de frente no Corpo de Enfermeiras do Exército, onde 16 foram mortas como resultado de fogo inimigo direto. Sessenta e oito mulheres americanas foram capturadas como prisioneiras de guerra nas Filipinas. Mais de 1.600 enfermeiras foram condecoradas por bravura sob fogo e serviço meritório.

mulheres em guerra

Fim da Guerra e a realidade piorada

No final da guerra, embora a maioria das mulheres entrevistadas relatasse querer manter seus empregos, muitas foram substituídas por homens que retornavam do exterior. Assim como tantas outras foram demitidas devida a queda na demanda por materiais de guerra. As mulheres veteranas encontraram obstáculos quando tentaram tirar proveito dos programas de benefícios para os veteranos.

A nação que precisava da ajuda feminina num momento de crise, mas ainda não estava pronta para maior igualdade social que viria lentamente nas décadas seguintes. Mulheres em Guerra, uma realidade pouca conhecida.

Veja também:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *