Um Conflito Paralelo: A Guerra Equador-Peru de 1941 durante a Segunda Guerra Mundial

Descubra a história esquecida da Guerra Equador-Peru de 1941, um conflito pouco conhecido que eclodiu enquanto o mundo estava imerso na Segunda Guerra Mundial. Neste artigo, pesquisado pelo Ecos da Segunda Guerra, explore as tensões fronteiriças entre Peru e Equador, as batalhas e a busca por um acordo de paz duradouro.

Em 5 de julho de 1941, enquanto os olhares do mundo estavam fixos na ampliação da Segunda Guerra Mundial.

As tropas de Hitler, já na segunda semana da Operação Barbarossa, avançavam cada vez mais fundo na União Soviética. Enquanto isso, os Estados Unidos, ainda não envolvidos na guerra, se aproximavam de seu encontro fatídico e que mudaria a história com o Japão. Foi também a data em que o submarino alemão U-96 torpedeou e afundou o transporte britânico de tropas Anselm próximo aos Açores, matando 254 pessoas.

Em meio a todos esses tumultos, o mundo mal percebeu o início de mais uma guerra em um canto remoto das Américas.

O conflito, que não tinha nada a ver com a guerra na Europa ou no Pacífico, era o resultado de uma disputa de fronteira duradoura entre as nações vizinhas Peru e Equador.

Ambos os países reivindicavam uma grande porção de terra no interior do continente ao longo da fronteira norte do Peru e a leste do Equador.

Desde o século XIX, o Peru havia discutido com o Equador e seu vizinho ao norte, a Colômbia, sobre a vasta região ao sul, onde as fronteiras dos três países se encontram. Na verdade, o Peru havia entrado em guerra com a Colômbia em 1932 pelo território e venceu. O tratado que seguiu esse conflito concedeu grande parte da região disputada ao Peru, apesar do fato de o Equador ainda considerar esse mesmo território como seu.

As tensões se aprofundaram na década seguinte. No início da década de 1940, o Peru deslocou uma parte considerável de seu exército de 68.000 homens para a fronteira com seu vizinho afastado, esperando um confronto militar.

Por sua vez, o Equador também começou a se mobilizar. Todo o seu gabinete renunciou em massa para pegar em armas na luta que certamente viria. 

Em 5 de julho de 1941, finalmente aconteceu.

As versões divergem sobre qual dos dois países deu o primeiro golpe. Algumas fontes sugerem que foi o exército equatoriano menor e mais fraco que deu início ao conflito ao enviar tropas através da fronteira e tomar uma cidade peruana. Mas o que é certo é que, uma vez iniciados os combates, o exército peruano, muito maior e mais profissional, teve pouca dificuldade em derrubar as forças de defesa inimigas pequenas e fracamente armadas. Em poucos dias, o exército peruano ocupou as províncias equatorianas de El Oro e Loja. 

O sucesso do Peru não foi de forma alguma inesperado. Seu exército não apenas superava em número o do Equador em cerca de quatro para um, mas também era mais avançado militarmente.

As forças terrestres do Equador consistiam em infantaria mal equipada, polícia paramilitar e irregulares armados com rifles Mauser antigos e metralhadoras leves tchecas, apoiados por algumas baterias de artilharia de cavalaria do século XIX.

Por outro lado, o Peru possuía um exército muito mais avançado. Seus soldados vestiam uniformes e capacetes franceses excedentes da Primeira Guerra Mundial. E apoiando sua infantaria havia mais de 100 canhões de campo italianos de última geração, juntamente com obuses franceses e várias peças de artilharia da Primeira Guerra Mundial. O Peru também adquiriu duas dúzias de tanques leves checos de última geração, uma variante que até mesmo os alemães usaram nos primeiros meses da Segunda Guerra Mundial. Completando a ordem de batalha do Peru havia um batalhão de fuzileiros altamente treinados e até paraquedistas. Essas últimas unidades realizariam o primeiro lançamento aéreo de combate em uma guerra no Hemisfério Ocidental. O Peru também contava com sete caças P-64 de fabricação americana, que foram convertidos em bombardeiros leves. 

Após quatro semanas de combates ao longo da zona fronteiriça sudoeste, o Peru havia conquistado vastas áreas do sul do Equador, enquanto o exército improvisado dos defensores, acompanhado por refugiados civis, se desfez em grande parte. O Peru continuou avançando.

No final de julho, a pressão diplomática crescente de Washington, juntamente com apelos de países vizinhos, obrigou o Peru a encerrar os combates. As hostilidades foram suspensas no último dia do mês. Roosevelt eventualmente levou ambas as facções à mesa de negociações de paz. Um tratado conhecido como Protocolo do Rio de Janeiro oficialmente encerrou a guerra, embora a linha de fronteira precisa ainda permanecesse ambígua. Como tal, a guerra de 1941 não seria a última vez que os vizinhos trocariam golpes. Dois conflitos mais ocorreriam: um em 1981 e outro em 1995.

Referência: Ecuadorian-Peruvian War of 1941 – Inside the Strange South American Conflict That Raged While Europe militaryhistorynow.com/2019/06/27/sideshow-peru-fights-ecuador-during-ww2s-darkest-summer/

Sobre Ricardo Lavecchia

Desenhista, Ilustrador e pesquisador sobre a Segunda Guerra Mundial

Veja também

Lutas Esquecidas #8: Ataque à fortaleza de Cherbourg, junho de 1944

A 79ª Divisão de Infantaria dos EUA liderou o ataque ao Fort du Roule de …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *