Será ficção, mais um mito popular, uma invenção dos prisioneiros de guerra? Não sei confirmar, mas o texto abaixo relata um dos fatos mais cruéis e talvez mais nojento da Segunda Guerra Mundial.

Partes de corpos dilacerados encontrados pelos aliados e acampamento japonês.

Muitos relatórios escritos e testemunhos recolhidos pela Secção Australiana de Crimes de Guerra do Tribunal de Tóquio e investigados pelo promotor William Webb (o futuro juiz em chefe) indicam que soldados japoneses em muitas partes da Ásia e do Pacífico cometeram atos de canibalismo contra prisioneiros de guerra. 

Devido ataques Aliados cada vez mais frequentes nas linhas de abastecimento japonesas, e pela morte e doença do pessoal japonês como resultado da fome, os soldados eram obrigado e cometer o canibalismo de forma sistemática, e muitas vezes esquadrões inteiros praticavam o ato sob comando de oficiais.

Uma espécie de panela com carne humana.

Um prisioneiro de guerra indiano , Havildar Changdi Ram, declarou que: “. [Em 12 de novembro de 1944] Eu vi isso atrás de uma árvore e viu alguns cortes de carne, braços, pernas, quadris, nádegas… Eles cortavam em pequenos pedaços, levava para os quartos e fritava. “ 

Em alguns casos, a carne foi cortada de pessoas vivas: um outro prisioneiro indiano, Lance Naik Hatam Ali testemunhou em Nova Guiné e afirmou:

… os japoneses começaram a selecionar prisioneiros, todos os dias um prisioneiro foi levado para fora e morto e comido pelos soldados. Eu pessoalmente vi isso acontecer e cerca de 100 prisioneiros foram comidos neste lugar pelos japoneses. O restante de nós foi levado para outro local, a 80 km de distância, onde 10 prisioneiros morreram de doença. Neste lugar, os japoneses voltaram a selecionar prisioneiros para comer. Os selecionados foram levados para uma cabana onde sua carne foi cortada de seus corpos enquanto eles estavam vivos e eles foram jogados em uma vala onde eles morreram mais tarde.

Oficiais segurando um osso de um braço.

De acordo com outro relato de Jemadar Abdul Latif do 4/9 Regimento Jat do exército indiano que foi resgatado pelo exército australiano na Baía Sepik em 1945:

“Na aldeia de Suaid, um médico japonês visitou periodicamente o complexo indiano e selecionou os homens mais saudáveis. Estes homens foram levados ostensivamente para cumprir seus deveres, mas nunca reapareceram” 

Yoshio Tachibana

O mais alto oficial condenado por canibalismo foi o general Yoshio Tachibana, que com 11 outros membros do pessoal japonês foi julgado em agosto de 1946 em relação à execução de aviadores da Marinha dos EUA e o canibalismo de pelo menos um Deles, durante agosto de 1944, em Chichi Jima , nas Ilhas Bonin . Os aviadores foram decapitados pelas ordens de Tachibana. Como o direito militar e internacional não lidava especificamente com o canibalismo, eles foram julgados por assassinato e “prevenção de enterro honroso”. Tachibana foi condenado à morte e enforcado. 

 

Veja também:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *