[tabs type=”horizontal”][tabs_head][tab_title]Eduardo Costa Mattos Filho[/tab_title][/tabs_head][tab]
Nascimento: 18/05/1921
Falecimento: 22/02/2011 (90 anos)
Cidade: Rio de Janeiro
Estado: RJ
Regimento: 11º Regimento de Infantaria
Companhia: ?
Posto: 2º Tenente
Embarque: 22/09/1944 – 3º Escalão
Retorno: 17/09/1945

[/tab][/tabs]

História: Eduardo Costa Mattos Filho estudou o primário na Escola Afonso Pena – RJ.

Tornou-se Aspirante a Oficial de Infantaria no dia 02 de março de 1944 na lendária Escola Militar do Realengo, vindo do Colégio Militar do Rio de Janeiro onde cursou ginásio, científico. O apelido “Índio” nasceu nesse colégio quando corria em volta de um campo de futebol.

Residiu no bairro do Andaraí,  na Rua Barão de Mesquita 678, casa 05. Foi jogador de basquete nos clubes do Grajaú, Tijuca e Clube dos 100, onde participou, pelo Sampaio Atlético Clube, em 1938, da “Liga Carioca de Basketball”.

Sr. Eduardo com sua esposa. tirada no monumento dos pracinhas RJ anos 80 – Arquivo Carlos Mattos

Foi voluntário à Força Expedicionária Brasileira durante a Segunda Guerra, incorporando o IV Corpo do V Exército Americano, pelo 11º Regimento de Infantaria (11ºRI) – Regimento Tiradentes, de São João Del-Rei (MG).

Na Itália, foi designado pelo comandante da Companhia de Obuses Capitão Hugo de Andrade Abreu como comandante de Pelotão e Observador Avançado. Sua missão principal foi conduzir a artilharia brasileira na conquista de Montese, onde recebeu a Medalha de Guerra, de Campanha e Cruz de Combate. O governo dos Estados Unidos lhe agraciou com a condição eterna de membro honorário do V Exército – título conferido pelo Major-General Willis D. Crittenberger, comandante organização.

Casou-se com Maria Myrthis Gaertner de Andrade em 17 de novembro de 1945, na Igreja Santa Cruz dos Militares, Centro do Rio de Janeiro.

Além de Taubaté, São João Del-Rei, serviu em Curitiba (20ºRI), Niterói (NPOR), no Rio de Janeiro (BGP).

No dia 09 de julho de 1960, durante uma instrução militar, sofreu um acidente, atingindo o pé direito com a própria arma, ao ministrar exercício de tiro aos alunos do Curso da Escola de Polícia do Rio de Janeiro.

Quando seguiu para a reserva remunerada, abriu uma empresa em sociedade com o irmão Edson, no subúrbio de Pilares, para fabricar cofres e moldes para tornos mecânicos, a Indústria e Comércio Molmec.

No final da década de 1960, comandou e reestruturou a Guarda Civil do Estado da Guanabara, ao adquirir helicópteros para a segurança da cidade e motocicletas para batedores na escolta de autoridades, entre elas, a Rainha Elizabeth durante sua visita ao Brasil.

Como Chefe de Segurança e Informações de Furnas Centrais Elétricas, acompanhou a inauguração da hidrelétrica de Itaipu, coordenando com os diversos órgãos governamentais o primeiro transporte de urânio até a Usina Nuclear de Angra dos Reis.

Faleceu aos 90 anos.

Fonte: Texto baseado nas informações cedida por seu filho Carlos Mattos

Veja também:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *