86_331-Disney.jpg

FEB – O filme It’s All True, Outra Investida Cultural dos Estados Unidos para Estreitar Relações com o Brasil

Em 10/09/1941, um grupo de quatro pescadores cearenses empreendeu um “raid” de jangada, de Fortaleza ao Rio de Janeiro. Manoel Olímpio Meira, o Jacaré, presidente da colônia de pescadores; Manoel Pereira da Silva, o Manoel Preto; Jerônimo André de Souza e Raimundo Correia Lima, o Tatá, pretendiam, com esse feito, levar “uma mensagem de apelo ao Sr. Getúlio Vargas” alertando o presidente da República para as precárias condições de vida dos jangadeiros.

Walt Disney e Orson Welles no Brasil – Parte da Política “Boa Vizinhança” implantada pelos EUA

 Em 16/11/1941, a “Gazeta de Notícias”, no título “Apoteótica Recepção no Rio”, ressaltou o bom êxito da missão dos quatro jangadeiros. Jacaré, ao saber que voltaria ao Ceará, de avião, respondeu, com o humor de homem simples: “Vim feito peixe e vou voltar que nem urubu…” Essa façanha dos bravos cearenses, publicada na revista “Time”, no final de 1941, chamou a atenção do artista cinematográfico norte-americano, Orson Welles, que incluiria o episódio em seu filme “It’s All True”, uma trilogia baseada em histórias verdadeiras, rodado no Brasil.

A história daquela heroica travessia de 1941, quando numa frágil embarcação, foi percorrida 2500 quilômetros da costa brasileira, seria, em parte, rodada no Ceará. Para atores deste tema do filme, foram contratados os próprios jangadeiros.  Orson Welles (1915-1985) atingiu celebridade mundial com seu noticiário radiofônico de 30/10/1938, quando provocou pânico em milhares de ouvintes desavisados. Baseado na “Guerra dos Mundos” de H. G. Wells, Orson Welles transformou em crônica jornalística um hipotético ataque marciano à cidade de New Jersey.

 

O Diretor Orson Welles

 Em 1940, este gênio versátil escreveu, dirigiu, produziu e atuou em “Cidadão Kane” – sua obra prima -, uma biografia disfarçada do poderoso magnata da imprensa norte-americana William Randolph Hearst, um filme tido, por muitos, como o melhor de todos os tempos, tendo estreado nos Estados Unidos, em 1941.

No Brasil, onde permaneceu cerca de seis meses, Orson Welles iniciou a filmagem de “It’s All True”, (Tudo é Verdade), encomendado pelos estúdios da RKO. O filme fazia parte da política de “Boa Vizinhança”, desenvolvida pelo governo de Franklin Roosevelt e coordenada por Nelson Rockfeller, então chefe do escritório latino-americano do Departamento de Estado e sócio da produtora cinematográfica RKO.

Preocupados com a indecisão ideológica dos países latino-americanos, diante da guerra, o governo norte-americano – que ingressara no conflito em dezembro de 1941 -, empenhou-se na conquista de uma identidade comum, tentando, através de uma boa relação com sua vizinhança, conduzi-la à adesão da causa dos Estados Unidos e Países Aliados, na Segunda Guerra Mundial. Para isso, urgia a necessidade de um estreitamento cultural entre os Estados Unidos e esses países. Desse projeto participou, também, Walter Disney, com sua criação imortal, o maroto papagaio “Zé Carioca”, personagem inspirado no malandro do Rio de Janeiro, apresentado no filme “Você já foi a Bahia?”, ao lado do Pato Donald, típico representante norte – americano e do galo mexicano. Em 13/02/1942, Orson Welles aterrissava no Rio de Janeiro para rodar “It’s All True”.

 

Orson Welles no Ceará, dentro de uma jangada. Arquivo Vanius Meton Gadelha Vieira

 

 No Rio, Orson Welles filmou cenas do carnaval carioca, com Grande Otelo e lançando Anselmo Duarte, que iniciou sua carreira de astro como figurante neste filme. Para inteirar–se melhor sobre o terceiro tema de seu filme, a heroica travessia dos jangadeiros cearenses, Orson Welles fez sua primeira viagem à Fortaleza, visitando a terra e conhecendo os costumes de seus protagonistas.

A filmagem desse terceiro episódio iniciou-se em maio e Orson Welles intitulou-o de “Four Men On a Raft” (Quatro Homens numa Jangada). Por ocasião das filmagens na Barra da Tijuca, Jacaré, um dos atores e personagens do filme, perdeu a vida acidentalmente, no primeiro dia de filmagem, quando se reconstituía a chegada dos jangadeiros no Rio de Janeiro.  O jornal “O Estado” de 20/05/1942, consternado, noticiou:

“Jacaré morreu afogado na Barra da Tijuca.
(…) Manuel Olímpio Meira, nome de batismo de Jacaré, contava 45 anos, era cearense, tendo nascido, nesta cidade, no ano de 1895. (…) Com pouco mais de 25 anos contraiu núpcias com d. Josefina de Castro da qual teve 9 filhos. Em 10/09/1941, empreendeu um raid de jangada ao Rio de Janeiro com mais três companheiros: Jerônimo, Tatá e Manuel Preto. Saiu de Fortaleza nesta data, chegando ao Rio em 15/11. Regressou dias após, a Fortaleza, onde permaneceu até janeiro de 42. Contratado por Orson Welles, partiu de Fortaleza em 16/01/1942 (…) Ontem pela manhã (…) a embarcação virou completamente ficando de lastro para cima (…)”

O filme “It’s All True” ficou inacabado. Pressionado pela RKO, Orson Welles recebeu ordem de regressar, o quanto antes, aos Estados Unidos. Desobedecendo a essa orientação, Welles propôs-se a terminar o episódio dos Jangadeiros. Regressou à Fortaleza e prolongou as filmagens até julho daquele ano. Reconstruindo o trajeto dos jangadeiros, filmou também em Recife e na Bahia, regressando aos Estados Unidos somente em agosto. Vários fatores contribuíram para a interrupção desta obra memorável. Entre esses, o rumo da mensagem que ele passaria, diferente daquela orientação da política da “Boa Vizinhança”, que desejava enfatizar uma visão paradisíaca do Brasil.

O que deveria ser um documento turístico, com a imagem de um Brasil exótico e alegre, transmitido no exterior pela notável Carmen Miranda e pelos desenhos animados do Zé Carioca, havia-se transformado num libelo social, mostrando o lado real do Brasil, pela câmara de Orson Welles. A direção da RKO despediu Welles e desfez-se de sua produção, reforçando, dessa maneira, toda a lenda criada em torno do filme deste realizador genial. Em 1985, apareceram 314 latas com o material de “It’s All True”, apresentado ao público, em um filme denominado “Isto é Brasil.” A “Gazeta de Notícias”, de 10/06/1942, registrou:

“Fortaleza hospedará mais uma vez, o grande diretor esatdunidense Orson Welles da R.K.O. Radio que se encontra há vários meses no Brasil filmando o sensacional ‘raid’ dos jangadeiros cearenses. A reportagem da Gazeta esteve com o Sr. Fernando Pinto, presidente do Jangada Club, o qual nos declarou, que o famoso ‘Cidadão Kane’ é esperado em nossa capital na próxima semana no dia 17 do corrente. O produtor ianque que desfruta nos EUA. de um cartaz consagrado vem a Fortaleza concluir a filmagem da película focalizando a vida aventurosa dos homens do mar. Orson Welles, chegado a Terra da Luz, ficará hospedado em uma casa na praia do Mucuripe. Na enseada onde o governo constrói o futuro porto de Fortaleza, Orson Welles filmará as últimas cenas da produção cinematográfica que está preparando sobre o ‘raid’ do saudoso Jacaré e seus companheiros da jangada São Pedro. O Sr. Fernando Pinto que tem sido um protetor dos marítimos e pescadores das praias cearenses, segundo declarou ontem à nossa reportagem, reunirá sábado próximo, a diretoria do Jangada Club, a fim de traçar o programa em homenagem a Orson Welles.”

Apresentado a Fernando Pinto por Assis Chateaubriand, Orson Welles hospedou–se, em Fortaleza, cerca de vinte dias, no Jangada Club. Na noite de sua chegada, este clube lhe ofereceu um jantar com a participação da sociedade cearense. O cineasta foi, também, recepcionado no Ideal Club, com “uma reunião chic”, segundo os jornais da época. José Collares Cintra, gerente do Cassino do Ideal, “numa deferência especial, pôs, à disposição de Orson Welles, uma encantadora casa residencial na Praia do Mucuripe, onde todas as manhãs o famoso cinematografista americano filma novos detalhes da fauna dos jangadeiros pescando no mar.” Em 18/06/1942, a “Gazeta de Notícias” focalizou a procissão de Jangadas que se faria em homenagem a São Pedro, sendo filmada por Orson Welles, tentando fixar todos os elementos folclóricos e religiosos do ato.

Segundo informou à nossa reportagem o Sr. Fernando Pinto, presidente do Jangada Club, a procissão de jangadas, partirá do Mucuripe, num trajeto marítimo que terá como ponto final a Praia de Iracema. O Sr. Fernando Pinto acentuou em suas declarações à reportagem, que a Procissão de São Pedro, padroeiro dos nossos jangadeiros, este ano contará com a participação de mais de cem jangadas. É pensamento de Orson Welles, finalizou o presidente do Jangada Club, filmar todos os atos litúrgicos da procissão, enquadrando-os numa produção de pequena metragem.”

Incalculável multidão assistiu a essa procissão, encerrada com uma missa na Igrejinha de São Pedro. O Jangada Club promoveu todas as festividades dessa comemoração a São Pedro. A sua frente, registrado em fotografias estava seu patrocinador, Fernando de Alencar Pinto.

Vanius Meton Gadelha Vieira
“Ideal Clube – História de uma Sociedade”

Andre Almeida

Ex-militar do exército, psicólogo e desenvolvedor na área de TI.Sou um entusiasta acerca da Segunda Guerra Mundial e criei o site em 2008, sob a expectativa de ilustrar que todo evento humano possui algo a ser refletido e aprendido.

Veja também

Argemiro Pavelosk

Argemiro Pavelosk – Diário de Guerra de um Veterano da FEB

ARGEMIRO PAVELOSK Nascimento: 27/06/1921 Falecimento: 10/02/1998 Cidade: Pederneiras Estado: SP Regimento: 6º Regimento de Infantaria …

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *