Os Soldados Judeus de Hitler

Você sabia que havia judeus no Exército Alemão durante a Segunda Guerra Mundial?  O historiador Bryan Mark Rigg, num estudo que rendeu o livro: Os Soldados Judeus de Hitler – Hitler’s Jewish Soldiers – traz à tona uma realidade espantosa: Mais de 100 mil militares de origem judaica combateram nas fileiras do exército alemão.

Na estrada assassina, a “pureza racial”, Hitler encontrou desvios inesperados, em grande parte devido aos seus próprios pontos de vista enlouquecidos e incoerente políticas relativas à identidade judaica. Após séculos de assimilação judaica e casamento na sociedade alemã, ele descobriu que os eliminar judeus do resto da população seria mais difícil do que tinha antecipado.  Como Bryan Mark Rigg mostra neste estudo provocante, nada era mais hediondo nesse processo repleto de contradição e confusão do que o exército alemão.

Contrariamente às opiniões convencionais, Rigg revela que um número surpreendentemente de militares alemães foi classificado pelos nazistas como judeus ou parcialmente “judeus” (mestiços), sob as diretivas das leis raciais nazistas.  Rigg demonstra que o número real era muito maior do que se pensava – talvez até 150.000 homens, incluindo veteranos condecorados e oficiais de alta patente, até mesmo generais e almirantes combateram na Segunda Guerra Mundial com farda alemã.

Como não havia nenhum precedente de investigação sobre os antepassados, muitos desses soldados nem sequer se consideravam judeus e tinham abraçado as fileiras militares como um modo de vida e como patriotas dedicados, ansiosos para servir uma nação alemã reavivada. Porém as novas leis forçaram um novo olhar sobre o efetivo das Wehrmacht a fim de remover os indesejados.

O processo de investigação e de remoção, porém, foi marcado por uma aplicação altamente inconsistente do direito nazista.  Numerosas “isenções” foram feitas a fim de permitir um soldado de permanecer nas fileiras ou para poupar o pai de um soldado, cônjuge ou outro parente de encarceramento ou algo pior.   A própria assinatura de Hitler pode ser encontrada em muitas destas isenções.

Baseada numa pesquisa profunda e abrangente em fontes arquivistas e secundárias, bem como extensas entrevistas com mais de 400 mestiços e seus familiares, o estudo de Rigg é um espaço novo no terreno de um campo lotado e mostra outro ângulo extremamente falho, desonesto, humilhante e trágico do governo de Hitler.

As milhares de páginas de documentos e testemunhos orais  colhidos pelo autor para este  estudo foram comprados pelos militares do Arquivo Nacional da Alemanha. A Coleção de Bryan Mark Rigg está arquivada no Bundesarchiv-Militärarchiv em Freiburg, Alemanha.

Alguns Mestiços do Exército Alemão

Livro de serviço militar de “meio-judeu” Hermann Aub

Os soldados Judeus no juramento de lealdade a Hitler

Horst Geitner foi condecorado com a Cruz de Ferro de Segunda Classe.

Esta foto do “mestiço-judeu” Werner Goldberg, que era loiro e de olhos azuis, foi usada por um jornal de propaganda nazista em sua primeira página com o título: “The Ideal German Soldier.” – “O soldado alemão ideal”.

Comandante Paul Ascher, almirante, primeiro diretor  de do encouraçado Bismarck; recebeu a Cruz de Ferro das mãos do próprio Hitler.

Almirante Bernhard Rogge.

General Johannes Zukertort

Coronel Walter H. Hollaender

General da Luftwaffe Helmut Wilberg; Hitler declarou-o ariana em 1935.

Marechal de Campo Erhard Milch (à esquerda) com a General Wolfram von Richthofen. Hitler declared Milch Aryan.  Ele foi premiado com a Cruz de Cavaleiro por sua atuação durante a campanha na Noruega em 1940.

General Gotthard Heinrici, que era casado com uma “mestiça-judia”, reunião de Hitler em 1937.

Depoimentos Sobre o Livro Os Soldados Judeus de Hitler

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”Através de entrevistas gravadas, a atenção cuidadosa aos arquivos pessoais e documentos banais, que normalmente, não são consultados pelos historiadores, e estimulado por um forte senso de missão pessoal, Rigg virou até um capítulo inexplorado e confuso na história do Holocausto. A extensão de seus achados surpreendeu os estudiosos. “- Warren Hoge, New York Times[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”A revelação de que os alemães de sangue judeu, mesmo sabendo dos ideais do regime nazista, serviram a Hitler como membros fardados de suas forças armadas deve causar um choque profundo”. — John Keegan, autor de A Face da batalha e da Segunda Guerra Mundial.[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”Surpreendente e inesperado, o estudo de Rigg é conclusivo e demonstra o grau de flexibilidade na política alemã para mestiços, o grau de envolvimento de Hitler e, mais importante, que nem todos os que serviram nas forças armadas eram antissemitas, assim como seu serviço de auxílio ao processo de abate.” – Michael Berenbaum, autor de O mundo precisa saber: A História do Holocausto.[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”Amplos conhecimentos Rigg’s e as conclusões preliminares de sua pesquisa me impressionou muito. Estou convencido de que seu tratamento em profundidade do assunto sobre soldados alemães de origem judaica na Wehrmacht conduzirá a novas perspectivas sobre a história militar alemã do século 20.” – Helmut Schmidt, ex-chanceler da Alemanha.[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”Um trabalho impressionante, pesquisado com implicações importantes para as questões debatidas. Rigg conta algumas histórias comoventes de experiências humanas que complicam a nossa imagem do Estado e da sociedade no Terceiro Reich.” – Nathan A. Stoltzfus, Florida State University, autor de Resistência do Coração: O casamento e o protesto Rosenstrasse na Alemanha nazista.[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”Um estudo esclarecedor e provocativo que merece um público amplo e com certeza será muito discutido.” – Dennis E. Showalter, Colorado College, autor de Tannenberg: Clash of Empires[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”Com a habilidade de um detetive mestre, Bryan Rigg revela a surpreendente e desconhecida história dos alemães de origem judaica no exército nazista. Seu trabalho contribui para a nossa compreensão da complexidade da fé e da identidade do Terceiro Reich.” – Paula E. Hyman, da Universidade de Yale, autor de Sexo e assimilação em História Moderna Judaica e Os Judeus da França Moderna.[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”Uma contribuição original, inovadora e significativa para a história da Wehrmacht e da Alemanha nazista.” – James S. Corum, Escola de Altos Estudos Air Power, autora de The Roots of Blitzkrieg e A Luftwaffe[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”O trabalho de Rigg descobriu território acadêmico novo.” – Manfred Messerschmidt, Universidade de Freiburg, autor de Die Wehrmacht im NS-Staat (Wehrmacht no estado nazista)[/box]

[box type=”info” align=”” class=”” width=””]”Rigg abriu um novo território para historiadores e estudantes de guerra, oferecendo uma nova visão sobre a mentalidade nazista sobre raça.” – World War II Magazine.[/box]

Veja também:

Comentários

  1. Já havia lido algo a respeito e isso sempre influenciou minha maneira de olhar para judeus donos da verdade. O que não concordo é com a designação de ‘raça’ para judeus. Anti-semitismo, assim como anti-catolicismo e anti-islamismo, é condenável, mas não é racismo!

  2. Ja ouvi falar que Reinhard Heydrich era tambem um mestiço e escondeu muito bem isso, outro que tambem era Mestiço éra o próprio Fuher

    1. Se o próprio Führer Hitler foi judeu, então os judeus são os mais perversos criminosos do mundo que se exterminam entre eles, como aliás, o fazim no comunismo!

  3. A designação do termo “nazista”, nada mais é do que um artifício “politicamente correto”. Ninguém duvida que a Alemanha , por inteira, apoiou Hitler e não somente os seus simpatizantes ligados ao Partido. O carisma de um Líder é contagiante , perante às massas e, isto a história nos ensina.
    Nesse sentido é de se supor , pela miscigenação ou não , que muitos Judeus alemães ou descendentes de judeus lutassem pela sua família, ao lado de sua pátria , a Alemanha. As questões políticas , responsáveis pelas guerras, sempre dão a sua versão que é, certamente, a dos Vencedores.
    Aos poucos vão se abrindo as caixas pretas da Segunda Guerra Mundial, restabelecendo as verdades da época, liberando para pesquisas.
    Nas Guerras dizem, a maior derrotada é a verdade. Centistas, Religiosos e políticos, no alto de sua sapiência, julgam que o conhecimento da verdade é insuportável para o Povo do Planeta, que vai haver uma descrença de tudo.
    Existe algo mais criminoso que esta afirmação? É a mesma coisa que acreditar em Adão e Eva e na teoria da evolução de Darwin!

  4. Se os Judeus insistem em reafirmar que Hitler era Judeu,então o grande exterminador de Judeus ,nada mais nada menos era um Judeu.

  5. Tenho dois broches e/ou insignias e/ou distintivos que estão na Farda do Coronel Walter H. Hollaender que ganhei de uma amigo falecido que combateu na segunda guerra, porém ele, por motivos particulares, pintou os mesmos com cores aleatórias. Eu gostaria de restaurar as cores originais. Os “símbolos” são: olhando a foto de frente, o primeiro de cima do lado direito (asas) da cruz de ferro pendurada na gola; o segundo, olhando de frente, é o último “simbolo” abaixo (é uma medalha de um capacete), da cruz de ferro pendurada no bolso direito. Agradeço a quem puder me auxiliar.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *