leigh-mallory

Marechal Leigh-Mallory

O plano que apoiaria a operação anfíbia foi dividia em duas partes: uma preparatória e outra de assalto. Criado pelo comandante da aviação, Marechal Leigh-Mallory.

O grupamento, formado pela Segunda Força Aérea Tática britânica e a Nona Força Aérea americana, operaria em apoio direto dos exércitos terrestres. Às Forças Aéreas Estratégicas também ficariam com responsabilidades táticas definidas durante os períodos críticos, porém sua missão principal seria a os ataques contra o potencial industrial Alemão.

Na fase preparatória, as Forças Aéreas Táticas atacariam:

  • Alvos ferroviários,
  • Pontes e aeroportos,
  • Os arredores da zona de assalto,
  • Baterias costeiras,
  • Estações de radar e
  • Outros alvos navais e militares.

Além dos seus aviões de reserva, tais forças contavam com 2.434 aviões de caça e bombardeio; a esses se somavam ainda outros 700 aviões de bombardeio médios e leves.

Os ataques aos centros ferroviários começariam no “Dia D – 60”, efetuados sobre uma zona ampla, para assim não fornecer ao inimigo nenhuma pista acerca da possível praia de invasão. Pouco antes do Dia D, os ataques foram se intensificando; começou-se então a insistir sobre os objetivos mais importantes, relacionados à operação Overlord, mesmo assim, sempre controlando a ação dos bombardeiros, evitando indícios comprometedores.

Os ataques contra baterias costeiras, aeroportos e pontes, na fase prévia, foram planejados e posto em prática tão regularmente, que apenas uma terça parte deles atingia os alvos diretamente relacionados com o Dia D.

Os ataques contra as pontes do noroeste da França iniciariam no “Dia D – 46”, e intensificados à medida que a data da invasão se aproximasse. O objetivo desses ataques era isolar a zona de batalha do resto da França.

Os aeroportos inimigos, num raio de 250 km da zona de combate, seriam atacados, começando as operações no “Dia D – 21”.

Durante o assalto propriamente dito, planejava-se manter uma densidade contínua de 10 esquadrilhas de aviões de combate, para cobrir a zona da praia, 5 sobre o setor britânico e 5 sobre o estadunidense. E outras seis esquadrilhas deveriam estar prontas para apoiar a cobertura das praias caso fosse preciso.

Veja também:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *