A Segunda Guerra Mundial foi o conflito armado mais sangrento da história da humanidade. Mais de 60 milhões de pessoas morreram. Enquanto o mundo comemora o 75º aniversário da derrota da Alemanha nazista, vale a pena reconhecer o papel que a Venezuela desempenhou na garantia das necessidades de petróleo das Nações Aliadas.

A Venezuela, uma nação tradicionalmente pacifista(naquela época), desempenhou um papel crucial no suprimento das necessidades de energia dos Aliados – um papel que ganhou seu reconhecimento como fornecedor seguro e confiável de petróleo para os mercados mundiais.

Com uma produção de 563.000 barris por dia, a Venezuela foi o maior exportador mundial de petróleo e o terceiro maior produtor em 1939, depois dos Estados Unidos e da União Soviética.

O papel notável que a Venezuela desempenhou na derrota do nazismo e do fascismo, no entanto, não se limitou ao aumento da produção de petróleo durante a guerra. A Venezuela continuou aumentando sua produção bruta durante o período pós-guerra para apoiar o Plano Marshall, ajudando assim a Europa a se recuperar da devastação da guerra.

A transição democrática da Venezuela (1935-48)

A Venezuela deu sua contribuição para a vitória dos Aliados enquanto realizava um processo difícil, destinado a estabelecer um sistema democrático de governo.

Em 17 de dezembro de 1935, a ditadura de 27 anos do general Juan Vicente Gómez terminou com sua morte. O mundo estava sofrendo o efeito angustiante do Grande Acidente de 1929. Os preços das matérias-primas caíram. O produto interno bruto dos países industrializados caiu 20% e as taxas de desemprego excederam 25%.

A Grande Depressão da década de 1930 foi a principal causa subjacente da ascensão do nazismo ao poder na Alemanha, em grande parte porque levantou dúvidas sobre os benefícios da democracia liberal e da livre empresa. A teoria marxista da justiça social em uma sociedade sem classes e as propostas igualitárias do nacional-socialismo atraíram elites intelectuais e massas de trabalhadores.

No entanto, a visão estratégica do presidente dos EUA, Franklin D. Roosevelt, através de audaciosas reformas sociais, foi fundamental para o restabelecimento da confiança nos valores democráticos e na restauração da prosperidade econômica.

A Venezuela não foi tentada pelo socialismo real nem pelo conceito alemão de nacional-socialismo. Em vez disso, o país optou por seguir uma transição para a democracia dentro de seu próprio modelo de economia de mercado mista.

Sob a liderança de dois generais de mentalidade democrática, Eleazar López Contreras (1935-41) e Isaías Medina Angarita (1941-45), foi introduzido um conjunto abrangente de reformas políticas, econômicas e sociais substantivas. Essas reformas incluíram a fundação do Banco Central da Venezuela (1939) e do Conselho Supremo Eleitoral (1936) e a promulgação da primeira lei trabalhista (1936).

A Venezuela avançou suas liberdades individuais e civis sob o presidente Medina.

O presidente e os membros do Congresso, no entanto, não foram eleitos por sufrágio universal – direito que seria introduzido durante a presidência de Romulo Betancourt (1945-48), quando uma Assembleia Constitucional (1947) instituísse, pela primeira vez, o eleição popular e direta do chefe de estado. O romancista venezuelano Romulo Gallegos foi o primeiro presidente democraticamente eleito da Venezuela.

A reforma do petróleo

As reformas empreendidas pelos presidentes López e Medina abrangeram a indústria do petróleo. A árdua luta pela democracia na Venezuela do século XX está intimamente ligada ao surgimento do petróleo como a pedra angular da economia do país.

Desde 1926, a indústria de hidrocarbonetos, operada pelas empresas internacionais de petróleo (COI) sob o regime de concessão, superou a agricultura como o principal componente do PIB e das receitas fiscais e cambiais.

O apoio da Venezuela ao esforço titânico das democracias ocidentais e da União Soviética para derrotar os nazistas pode ser melhor apreciado no contexto de seu processo de transição democrática. A Venezuela precisava expandir sua produção de petróleo para ajudar a causa da liberdade; mas, da mesma forma, o país teve que promover sua democracia nascente e seu desenvolvimento econômico, ao mesmo tempo em que aumentava suas receitas fiscais (que eram acumuladas principalmente pelos COI).

Em 1938, o presidente mexicano Lázaro Cárdenas nacionalizou a indústria do petróleo; mas o presidente da Venezuela, López, apesar de suspender as concessões de petróleo, decidiu o contrário. A Venezuela optou por um modelo moderado de “nacionalismo de recursos” por meio de uma estratégia progressiva de aumentar o controle estatal sobre a administração de seus recursos naturais não renováveis.

As reformas nacionalistas empreendidas por López compreenderam, entre outras, a fundação da Confederação Nacional dos Trabalhadores e o Sindicato dos Trabalhadores do Petróleo de Cabimas, e a aprovação da primeira lei trabalhista. A Lei de Hidrocarbonetos também foi alterada, enquanto o Instituto de Geologia foi fundado, que mais tarde se tornou o departamento de geologia da Universidade Central da Venezuela (UCV).

Em 6 de novembro de 1939, os Estados Unidos e a Venezuela assinaram o Tratado de Reciprocidade Comercial, dois meses após o início da Segunda Guerra Mundial. Os Estados Unidos foram o primeiro parceiro comercial da Venezuela. O tratado determinou uma redução de 50% nas taxas cobradas pela alfândega dos EUA sobre as importações de petróleo da Venezuela, enquanto os Estados Unidos eliminaram restrições quantitativas a 90% das exportações do país.

Quando Medina assumiu o cargo em 5 de maio de 1941, ele anunciou o que descreveu como “a Reforma do Petróleo”.

O objetivo da reforma era aumentar a receita fiscal, promover a indústria de refino na Venezuela, expandir o emprego, melhorar o valor dos hidrocarbonetos e unificar o regime de concessão, respeitando os direitos legais dos COI.

Medina enviou o procurador-geral da Venezuela, Gustavo Manrique-Pacanins, para informar Roosevelt e seus principais assessores sobre o escopo da reforma do petróleo.

Em uma carta ao presidente americano, Medina apontou:

“A nação venezuelana … reconhecendo e respeitando, a todo o momento, os direitos legais (dos COI), estabelecidos em nosso sistema jurídico, esforça-se por corrigir situações ilegítimas, ilícitas e ilegais, com o objetivo de obter para a Venezuela um retorno justo para a Venezuela”. a exploração de sua riqueza no subsolo “.

Roosevelt entendeu completamente a posição da Venezuela. Ele indicou que seu país não buscava tratamento especial para as empresas americanas além daquelas aplicadas a todas as empresas internacionais de petróleo nos termos da lei. Ele pediu o apoio contínuo da Venezuela aos esforços das nações aliadas para derrotar o eixo Berlim-Roma-Tóquio, garantindo o suprimento de petróleo da Venezuela.

Em janeiro de 1944, Medina fez uma visita oficial aos Estados Unidos, conversou com Roosevelt e discursou em uma sessão conjunta do Congresso.

No início de 1943, Medina nomeou uma comissão presidencial com poderes para elaborar uma nova lei legislativa sobre hidrocarbonetos. A nova lei de hidrocarbonetos, aprovada pelo Congresso naquele ano após um acalorado debate público, tornou-se uma das estruturas legislativas mais estáveis ​​da história da Venezuela. Incentivou um aumento substancial do investimento direto estrangeiro, fortalecendo a segurança jurídica e garantindo a estabilidade contratual dos concessionários.

A lei dos hidrocarbonetos ganhou tanta credibilidade que o próximo presidente (e feroz oponente de Medina), Romulo Betancourt, e seu ministro do Desenvolvimento, Juan Pablo Pérez-Alfonzo (apesar de, como congressista, ter se abstido de votar a favor do nova lei dois anos antes), ratificou-a em 1945. Os COI cumpriam a nova legislação, novas concessões de petróleo eram concedidas e a Venezuela recebia quantidades significativas de investimento estrangeiro, o que permitia ao país aumentar substancialmente a produção de petróleo durante (e depois da Segunda Guerra Mundial) .

O petróleo derrota o nazismo

Como a maioria dos países latino-americanos, a Venezuela declarou sua neutralidade através de um decreto assinado pelo presidente López em 13 de setembro de 1939, 13 dias após a invasão da Polônia. Lembre-se de que os Estados Unidos não entraram na guerra até depois do ataque japonês a Pearl Harbor em 7 de dezembro de 1941, e a União Soviética o fez somente após a invasão de Hitler ao seu território em 22 de junho de 1942. No entanto, a Venezuela agiu em solidariedade com as nações aliadas.

A Venezuela vinha aumentando sua produção de petróleo desde a década de 1920, atingindo um nível de 539.000 barris por dia em 1939. Naquele ano, os Estados Unidos produziram 3.650.000 barris por dia. O início do conflito militar afetou a produção da Venezuela em 1940, quando caiu para 504.000 barris por dia.

Em 9 de dezembro de 1941, dois dias após o ataque a Pearl Harbor, Medina abandonou a neutralidade do país e tornou pública sua solidariedade com os Estados Unidos e os Aliados. Em 12 de dezembro, a Venezuela congelou os ativos de estrangeiros de países do Eixo. Ele também escreveu uma carta a Roosevelt, repudiando a agressão do Japão e expressando sua solidariedade com os Estados Unidos. Nesse ano, a produção da Venezuela atingiu uma nova altura histórica de 622.000 barris por dia.

Em 31 de dezembro, a Venezuela rompeu relações diplomáticas com a Alemanha, Itália e Japão e instalou defesas blindadas em suas instalações de petróleo. Os relatórios de inteligência apontaram para os preparativos da Alemanha nazista para invadir o continente americano, começando com a Venezuela, a fim de assumir o controle de sua indústria estratégica de petróleo.

As hostilidades se expandiram para as costas da Venezuela.

De 14 a 16 de fevereiro de 1942, submarinos alemães torpedearam sete navios petroleiros que percorriam as rotas marítimas entre o Lago Maracaibo e Aruba, bem como o Lago Maracaibo e Curaçao. Dois navios-tanque foram afundados (os Monagas e os Pedernales).

Medina reafirmou seu compromisso de garantir o suprimento de petróleo da Venezuela para o esforço de guerra e fortaleceu a cooperação com as nações aliadas. O Exército dos EUA e a Marinha foram autorizados a usar temporariamente as bases militares venezuelanas. No entanto, a produção caiu em 1942 para 402.000 barris por dia.

Em abril de 1942, baterias de defesa de alta gama foram montadas em Puerto La Cruz, Carirubana e outros locais de petróleo. Em 15 de junho, o Congresso concedeu a Medina poderes especiais para proteger as instalações de petróleo, e um sistema de comboios começou a escoltar os petroleiros da Venezuela.

Em 17 de julho de 1942, a primeira lei de imposto de renda foi promulgada e aplicada aos COI. Até então, os concessionários pagavam apenas royalties e outras taxas menores. Em 3 de agosto, o chefe de estado venezuelano enviou uma nova carta a Roosevelt, informando-o do escopo da nova legislação sobre hidrocarbonetos, ressaltando que o objetivo da nova lei era aumentar os benefícios nacionais da indústria de hidrocarbonetos, garantindo os direitos legítimos dos COI.

Em 13 de março de 1943, o Congresso aprovou a nova lei de hidrocarbonetos. Aumentou a taxa de royalties para 16,67% e estipulou que os COI deveriam refinar pelo menos 10% de sua produção bruta no país. O país recuperou seu nível de produção em 1943, para 490.000 barris por dia.

A produção de petróleo continuou a subir, atingindo 704.000 barris por dia em 1944 e 885.000 barris por dia em 1945, quando os Aliados alcançaram a vitória.

Entre 1939 e 1945, a produção de petróleo da Venezuela aumentou 64% (ou 120% do ponto mais baixo de 1942).

O Plano Marshall

A produção de petróleo da Venezuela continuou a aumentar durante o período pós-guerra, apoiando os requisitos de energia do Plano Marshall.

A produção bateu um novo recorde em 1946, atingindo 1.063.000 barris por dia. Quatro anos depois, em 1950, a produção subiu para 1.496.000 barris por dia. Em resumo, entre 1940 e 1950, a Venezuela triplicou sua produção de petróleo.

A Venezuela não apenas contribuiu consideravelmente para a vitória das nações livres e democráticas sobre as ditaduras totalitárias lideradas pela Alemanha nazista. O país também elaborou e executou sua estratégia petrolífera com tanta habilidade e prudência que conseguiu aplicar com êxito as políticas públicas nacionalistas, ao mesmo tempo em que estimulou os investimentos dos COI, consolidando a segurança jurídica do país e aumentando sua produção e seus investimentos. receitas fiscais para o benefício de seu povo.

Referência: Venezuela’s Oil: Crucial in World War II

Veja também:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *