Portugal na Segunda Guerra Mundial – Legião Verde

Portugal declarou a sua estrita neutralidade na Segunda Guerra Mundial, embora a maior parte do regime do “Estado Novo” liderado pelo Presidente Oliveira Salazar estivesse inclinado para as potências do Eixo. A invasão da Alemanha à União Soviética na “Operação Barbarossa” e a participação da Espanha com o envio da Divisão Azul, levaram muitos portugueses a se alistarem nesta última através de uma subunidade anticomunista voluntária sob o nome de Legião Verde Portuguesa.

Bandeira da Legião Verde

Originalmente, a Legião Verde Portuguesa nasceu da Legião Portuguesa na década de 1930, um movimento fascista dentro do “Estado Nuovo” que, imitando os Camisas Negras na Itália ou as SA na Alemanha, recrutou mais de 53.000 membros que foram agrupados em um milícias uniformizadas e paramilitares para patrulhar e desfilar pelas ruas das cidades de Portugal. Desta organização, 12.000 combatentes foram enviados para lutar na Guerra Civil Espanhola, os “Viriatos”, que se destacaram na Batalha de Talavera de la Reina e no cerco de Madrid como parte do Exército Nacional entre 1936 e 1939 . Na verdade, quando a Alemanha invadiu a União Soviética após a Segunda Guerra Mundial,

A 1 de julho de 1941, o primeiro voluntário português alistou-se na Divisão Azul, seguido de outros portugueses residentes em Espanha que eram veteranos do corpo dos “Viriatos” durante a Guerra Civil Espanhola, ou nacionalizados que se casaram com espanholas, além de um grande número de jovens entusiastas que cruzaram a fronteira de Portugal. O recrutamento efetuou-se nas sedes do movimento Falange em Badajoz, com a inscrição de cinco pessoas, incluindo três dessa cidade e outras duas das localidades de Santa Marta e Olivienza, na Estremadura. Relativamente aos procedentes de Portugal, o perfil era de homens com idades compreendidas entre os 18 e os 40 anos (embora o limite de idade seja de 20 anos), na sua maioria trabalhadores das seguintes profissões: agricultor, operário, pedreiro, comerciante.

A Legião Verde Portuguesa foi criada no verão de 1941 em Badajoz com um total de 100 voluntários entre 2 sargentos, 13 cabos e 85 soldados. A origem de todos estes combatentes por cidade foi a seguinte: 22 de Lisboa, 16 do Porto, 8 de Porto Alegre, 8 de Viana, 3 de Évora, 3 de Viana do Castelo, 2 de Faro, 2 de Braga, 2 de Coimbra, 2 de Setúbal, 2 de Beja, 1 de Vimiero, 1 de Leiria, 1 de Guarda, 1 de Castelo Branco e 1 da Ilha da Madeira (mais 5 imigrantes de Espanha e 16 de outros países europeus).

Funeral do Soldado Português Gabriel da Costa da Divisão Azul morto durante a Batalha de Stalingrado.

A participação de Portugal na Segunda Guerra Mundial, começou oficialmente em setembro de 1941, a Legião Verde portuguesa foi implantada com a Divisão Azul na Frente Oriental da Rússia após uma marcha a pé da Estação de Treinamento Militar Grafenwöhr na Alemanha, na qual eles tiveram que passar pela Polônia, Lituânia e Bielo-Rússia. Uma vez no lugar, os portugueses travaram a Batalha de Possad entre novembro e dezembro de 1941, sendo responsável pela primeira baixa moral, entre estas o soldado Joaquín De Silva Alvés que caiu devido a um tiro de um soldado de infantaria soviético, bem como dois outros camaradas. mortos, incluindo Agostinho da Rocha na explosão de uma granada de mão e Manuel Seixas num gulag na Sibéria.

A partir de 1942, a Legião Verde portuguesa participou no cerco à cidade de Leningrado e na contenção dos ataques do Exército Vermelho ao rio Voljov, em cujos arredores morreram os voluntários Júlio Augusto Peres da Silva e Manuel Benjamin Areias Rodrigues defendendo o setor que ligava as cidades de Godorok e Dubvizy. Na verdade, os portugueses logo provaram ser lutadores muito ferozes, como por exemplo aconteceu durante os confrontos no Lago Ladoga porque ao custo de apenas três mortes portuguesas, eles causaram muitas baixas aos soviéticos no confronto de 21 de janeiro de 1943.

Durante a Batalha de Krasny Bor em 10 de fevereiro de 1943, a Legião Verde portuguesa se destacou por rejeitar os tanques e tropas do Exército Vermelho junto com seus companheiros espanhóis da Divisão Azul. No confronto acirrado que ficaria conhecido como “Operação Iskra”, Agustín Aveiro Del Rosario perderia a vida devido ao impacto de um projétil de artilharia, Francisco Portela Rosa pelas mãos de um franco-atirador ao cavar uma trincheira e Antonio De Melo Silva, além de O soldado José Alberto Rodríguez Estévez, originário de Lisboa, foi capturado pelos russos.

No final de 1943, a Legião Verde portuguesa foi retirada da Frente Oriental e regressou a Portugal, exceto por um grupo de 11 lutadores portugueses que continuaram a sua “cruzada antibolchevique” na Rússia, especificamente lutando ao sul de Leningrado e no norte da Estônia como parte da Legião Azul até 1944. Quando os governos de Madrid e Lisboa finalmente repatriaram todos os seus voluntários sob pressão dos Aliados Ocidentais, um total de 50 portugueses, a maioria residindo nos países ocupados da Europa, alistaram-se por conta própria na Waffen -SS até a derrota da Alemanha em 1945.

Medalha da Legião Estrangeira

Após a Segunda Guerra Mundial, a Legião Verde portuguesa sofreu 42 baixas entre 21 mortos, 20 feridos e 1 prisioneiro (45% do seu quadro original de 100 homens). No caso do único cativo, José Alberto Rodríguez Estévez, ele ficou onze anos preso nos gulags da União Soviética até sua libertação e retornou à Espanha em 2 de abril de 1954, onde se encontrou com sua esposa espanhola Manuela Jiménez e se estabeleceu em Badajoz.

Com o fim da participação de Portugal na Segunda Guerra Mundial, curiosamente, todos os veteranos da Legião Verde portuguesa regressaram a Portugal, onde foram regados com honras e elevados à categoria de heróis nacionais na luta contra o comunismo pelo “Estado do Nouvo”. Entre seus ex-combatentes estava ninguém menos que Antonio Sebastião Ribeira Spínola, que, ocupando o cargo de Vice-chefe do Estado-maior do Exército Português em 1974, foi um dos principais protagonistas da Revolução dos Cravos que derrubou o regime de Salazar e estabeleceu a democracia, tornando-se ele próprio o primeiro Presidente de Portugal.

sobre Ricardo Lavecchia

Pesquisador amador e desenhista. Natural de Santo André, hoje com 39 anos está a 15 anos pesquisando sobre o tema Segunda Guerra Mundial e a participação do Brasil na guerra, sempre buscando temas desconhecidos e pouco divulgados.

Veja também

Quando Miami Beach foi para a guerra

Durante a Segunda Guerra Mundial, Miami Beach se transformou de um paraíso turístico em um …

Série de Medalha de Honra #2: Sargento Jose Calugas

Recebedor da Medalha de Honra, treinado e enterrado nos Estados Unidos, filho nativo e herói …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *